Apresentação

Gerar, disseminar e debater informações sobre ALIMENTOS PARA ESPORTISTAS, sob enfoque de Saúde Pública, é o objetivo principal deste Blog produzido no Laboratório de Vida Urbana, Consumo & Saúde - LabConsS da FF/UFRJ, com participação de alunos da disciplina “Química Bromatológica” e com apoio e monitoramento técnico dos bolsistas e egressos do Grupo PET-Programa de Educação Tutorial da SESu/MEC.

Recomenda-se que as postagens sejam lidas junto com os comentários a elas anexados, pois algumas são produzidas por estudantes em circunstâncias de treinamento e capacitação para atuação em Assuntos Regulatórios, enquanto outras envolvem poderosas influências de marketing, com alegações raramente comprovadas pela Ciencia. Esses equívocos, imprecisões e desvios ficam evidenciados nos comentários em anexo.

domingo, 13 de julho de 2008

Alimentos protéicos para praticantes de atividade física: Como esse produto funciona fisiologicamente?




Os aminoácidos sofrem degradação oxidativa liberando energia, e essa energia liberada varia com o metabolismo individual e com a situação metabólica em que o indivíduo se encontra. Os aminoácidos podem sofrer degradação oxidativa em três circunstâncias metabólicas diferentes:

  1. Durante a síntese e degradação normais de proteínas;
  2. Numa dieta rica em proteínas;
  3. No jejum severo ou no caso de diabetes melito.

Os aminoácidos participam da síntese de proteínas, inclusive de fibras musculares do músculo esquelético responsável pela contração muscular durante o exercício. Teoricamente os músculos que se contraem perto da potência máxima e com sobrecarga conseguem aumento de força, através do aumento no diâmetro e na quantidade destas fibras musculares. Os consumidores deste produto acreditam que uma maior disponibilidade plasmática de aminoácidos é o suficiente para a hipertrofia muscular.


Dados de pesquisa não confirmam que esses suplementos alimentares sejam mais eficazes do que as fontes protéicas naturais. O indivíduo que realiza treinamento de força pode necessitar de 1,5 – 2,0g de proteína /Kg de peso corporal. Essa quantidade é facilmente obtida das fontes protéicas de uma dieta saudável (carnes magras, leite desnatado, proteínas vegetais complementares).

Não é adequada a utilização desse alimento em excesso, pois o excesso de proteínas é eliminado (já que aminoácidos livres não podem ser armazenados) podendo levar a sobrecarga hepática e renal.

Assim como, ficar longos períodos sem alimentação, não é saudável. À medida que os carboidratos estiverem inacessíveis, as proteínas corporais serão hidrolisadas e seus aminoácidos utilizados como fonte energética, havendo perda de massa muscular.

Deficiências nutricionais podem reduzir a habilidade para executar exercício, mas uma supernutrição não pode repor fatores genéticos para o desenvolvimento muscular. Então, não é possível apenas com o uso de suplementos protéicos e a prática de atividade física modificar seu biótipo.

O importante é manter uma dieta equilibrada e praticar exercícios, com o auxílio de profissionais da área na busca pela saúde e não, apenas, pelo corpo perfeito.


Referências Bibliográficas:

  • Junior, James F. Hickon; Wolinsky, Ira. Nutrição no exercício e no esporte. 2°

edição. Editora Roca;

  • Powers, Scott K. ; Howley, Edwart T. Fisiologia do exercício. Teoria e aplicação ao

condicionamento e ao desempenho. 3° edição. Editora Manole.

  • Costill, David; Wilmore, Jack H. Fisiologia do esporte e do exercício. 2° edição.

Editora Manole.

  • lehninger, Albert Lester1917 – 1986. lehninger princípios de bioquímica / David

L. Nelson, Michael M. Cox; traduzido por Arnaldo Antonio Simões, Wilson

Roberto Navega Lodi – 3° edição – São Paulo : Sarvier, 2002.

  • PORTARIA N º 222, DE 24 DE MARÇO DE 1998 - ANVISA
  • PORTARIA Nº 27, DE 13 DE JANEIRO DE 1998 - ANVISA
  • PORTARIA Nº 841, DE 23 DE OUTUBRO DE 1998 – ANVISA
  • Portaria nº 33, de janeiro de 1998 – ANVISA.



Daniele Fraga Sant´Ana e Jacqueline Serzedello de Souza


7 comentários:

Glauce disse...

Infelizmente, muitos praticantes de atividades físicas têm a falsa ilusão de que, ao ingerir estes suplementos protéicos, irão adquirir músculos enormes e muito bem torneados. Realmente, isto é possível, ainda mais se esta ingestão vier acompanhada também de exercícios físicos intensos. Porém, eles esquecem dos graves efeitos colaterais que a ingestão excessiva destes alimentos pode provocar, como insuficiência renal, uma vez que são os rins os responsáveis pela excreção de proteínas; insuficiência hepática, visto que o fígado é o responsável por metabolizar as proteínas ingeridas; e ainda hipertrofia muscular.
Este blog é de extrema importância para alertar aos esportistas e praticantes de quaisquer atividades físicas, principalmente os mais jovens, sobre os riscos a que se submetem em virtude da busca pelo corpo perfeito. Para o alcance do corpo ideal deve-se praticar atividades físicas moderadas sob a inspeção do profissional e fazer uma dieta rica e balanceada em todos os tipos de nutrientes, não somente em proteínas.

thaiscanuto disse...

Esse blog está muito interessante , pois alerta sobre a falsa propaganda de benefícios de suplementos proteicos. A utilização destes por praticantes de atividade física está cada vez mais frequente em busca de um corpo perfeito. Entretanto, acaba-se adquirindo um excesso de aminoácidos que serão excretados na urina não tendo nenhum efeito sobre a hipertrofia muscular.Creio que uma alimentação adequada pode vir a ser muito mais proveitosa para o sucesso do esportista.

Stéfano disse...

Pois é.. Melhor pro bolso e pra saúde procurar nos alimentos essa quantidade de proteínas, sem sobrecarregar rins, fígado..

Thainá Fraga disse...

Muitas pessoas realmente acham para que consigam obter resultados satisfatórios na musculação, devem ingerir esse tipo de suplemento proteico, entretanto acabam deixando de lado o que é realmente importante, manter uma dieta equilibrada, para que então não haja a sobrecarga renal e/ou hepática, pelo excesso de proteínas ingeridas.Assim para que possam atingir seus objetivos é necessário que a população como um todo se informe mais sobre as coisas que ingerem e não apenas consumir o que está na "moda".Por isso este tema do blog é muito importante e esclarecedor.

Luana Nunes de Jesus disse...

Realmente concordo com o que foi escrito. Muitas pessoas acham que tomando os suplementos vão alcançar o corpo que desejam. Porém na minha opinião referente a estudos que ja li, esses suplementos são caros, e as pessoas desperdiçam o dinheiro investido nele, pois metade da proteína é eliminada, sendo assim, as pessoas obtém muito menos proteínas do que pensam. Por isso comer uma carne, um frango, é mais aconselhável, por ser rico em proteína, ser um alimento saudável e não gasta muito.Porém não se deve consumir esses alimentos em excesso, pois pode sobrecarregar o fígado. A prática de exercícios, alimentação saudável e nos períodos certo são essenciais para a saúde, o bem estar, e o preparo do indivíduo. O mais importante é manter esse equilibro.

Thaissa Pereira disse...

Suplementos alimentares é um tema interessante, pois são produtos de fácil acesso e de uso, muitas vezes, indiscriminado pela população independente de idade ou gênero. Infelzimente, na maioria dos casos, os consumidores não estão preocupados em consultar as orientações dos médicos (clínico geral, cardiologista, endocrinologista) e nutricionistas previamente para avaliar as condições de seu corpo, se podem tomar suplementos, quais são indicados, quais são proibidos, como tomar e quanto tomar, pelo contrário, é o famoso “boca-boca”. Inicialmente usados para suprir deficiências nutricionais, agora são usados com o objetivo de hipertrofia e crescimento muscular, em busca do “corpo perfeito”, achando que serão mais bem aceitos pela sociedade. Porém, é bom ficar atento nos riscos x benefícios que o excesso na ingesta de suplementos podem causar no fígado e nos rins, como o cálculo renal pelo excesso de resíduos de proteína que podem ficar nos rins gerando as famosas e doloridas pedras. Sendo assim, uma dieta com fontes ricas de proteína torna a alimentação mais saudável e barata, visto que os suplementos são caros.

Sabrina Paiva disse...

Atualmente, é comum encontrar os enormes potes de suplementos à venda na internet, em farmácias, lojas especializadas e supermercados,apesar de importantes na suplementação da dieta eles podem apresentar grande risco a saúde quando utilizados sem critério e supervisão profissional.A falta de controle durante a venda desse tipo de produto é tão alarmante quanto seu uso indiscriminado por adolescentes e adultos que estão em busca do "corpo perfeito". Apesar da sobrecarga hepática e renal serem as consequências mais citadas devido o excesso de consumo de proteínas , outros efeitos colaterais desagradáveis podem ocorrer aos adeptos da " dieta da proteína" como: flatulência,retenção de liquidos e até ganho de gordura.Caso a pessoa coma muito carboidrato, terá acúmulo de componentes energéticos no corpo, o que acaba sendo revertido em gordura corporal.Para o consumo de proteínas isoladas é necessário ter necessidade de suplementar, não somente a vontade de acelerar o processo de ganhar massa.